Receba as novidades:

Dica de Livro Infantojuvenil: "Lavínia e a Árvore dos Tempos", de Lucinei M. Campos

Atualizado: Mar 7



"Nenhuma criatura da terra onde os pés humanos tocam e das terras além do horizonte visível pode se considerar maior, de capacidade superior a qualquer ser vivo consciente de seus atos. Mesmo que o declarante tenha em seu poder a magia e suas formas de aplicações sobre as demais criaturas, sua importância existencial não é maior que os demais. Toda criatura pensante é igual, sem diferença de importância e valor para com os valores das leis naturais e estipuladas por algum ser vivente de ambos os reinos além do horizonte e do vale humano. (...) Use a magia, mas nunca se esqueça que mais forte que a força visível aos olhos, é aquela invisível às mentes fracas e escassas de esperança." Guia do Faduário


Conforme conhecemos, fada é uma criatura mágica que costuma deixar de seu orbe fantástico para visitar o mundo dos humanos, com o objetivo de protegê-los ou guiá-los por alguma missão.


Esses seres mitológicos, de origem celta, sempre conseguiram despertar nosso encantamento. Afinal, como resistir à ternura de um fadinha, geralmente de corpo feminino minúsculos e asas pequeninas brilhantes como as de uma borboleta? No entanto, o que dizer de uma fada que foge completamente desses padrões convencionais?


No livro Lavínia e a Árvore dos Tempos, de Lucinei M. Campos, a figura da fada é desconstruída e reconstruída de forma muito criativa e divertida, fugindo de todos os moldes dos contos de fadas que lemos até hoje.


Na obra, a protagonista é Lavínia, uma menina de 9 quase 10 anos, que mora com seus pais e tem um melhor amigo chamado Marcos Paulo, mais conhecido como Léo (Sim, você não leu errado. Essa é uma das muitas travessuras inseridas no livro, pelo autor).


Lavínia é, lamentavelmente, o alvo constante de bullying em sua escola. A situação torna-se tão insuportável que a menina se refugia em alguns esconderijos na hora do recreio, deixando para retornar à sala somente após todos os corredores ficarem vazios.


Em uma noite, no entanto, Lavínia recebe uma visita muito incomum: um homem tipo cangaceiro, mal humorado, que se diz - com um sotaque nordestino carregado - ser uma fada. Seu nome é Lourival e sua varinha mágica é, na verdade, uma peixeira. Lavínia se torna, a partir daquele instante, sua humana protegida, ou faduária, por um ano.


Anúncio:


Assim, a história se passa entre o nosso mundo real e o mundo mágico onde transitam faunos, boitatás, ninfas, curupiras, além de outros seres mitológicos de culturas diversas que completam a fantasia. Nessa dimensão encontra-se, também, a incrível Árvore dos Tempos, uma imponente árvore, que dá pergaminhos no lugar de frutos.


Lavínia e a Árvore dos Tempos é um livro singular, que trabalha questões sérias como o bullying e a auto aceitação, de forma bem-humorada. É de leitura fácil e deliciosa. Meu imaginário fluiu naturalmente por todas as cenas narradas, como em um filme. Aliás, torço para que a história receba, algum dia, uma merecida adaptação para cinema ou TV. Enfim, é um daqueles livros que ficam registrados em nossa memória com o encantamento que só mesmo uma boa história pode nos proporcionar.




Sobre o Autor:

Lucinei M. Campos nasceu em 1983. Ainda menino, criava ele mesmo suas narrativas e personagens, em seus muitos cadernos e folhas livres, que mantém até hoje em seus arquivos pessoais.


Entre em contato através de suas redes sociais:

- E-mail: livro.lavinia@gmail.com

- Facebook: /Lucinei.Campos

/LucineiMCampos

/LaviniaeaArvoredosTempos

- Instagram: @lucineimcampos

- Twitter: @lucineimcampos

- Skoob: Lucinei M. Campos




Trecho do Livro:

"A aula acabou e todos haviam sido liberados, exceto Lavínia, que foi acusada de ter sujado o mapa da Girlene. Ficou por mais um pouco na diretoria, até que fosse liberada. Em meio às pessoas trabalhando na preparação de provas, cópias das próximas aulas e telefones tocando, não conseguiu parar de lembrar o que estava acontecendo. Em primeiro lugar havia ou não sonhado com uma fada, e depois com sua mochila rasgada com pedaço do colete de couro que ela havia feito flutuar na noite anterior, no fundo da mochila, sem nenhuma explicação. Isso sim a deixava distante de qualquer punição possível. Os minutos ali foram muitos, mas para ela, perdida em seus pensamentos, passaram tão rápido que logo esqueceu que deveria voltar."




Fontes:

- Informações disponíveis no próprio livro.








Deixe seu comentário

  • Andreia Marques - Fanpage
  • Andreia Marques - Instagram
  • Andreia Marques - Pinterest


Política de Privacidade


Copyright © 2015-2020 Andreia Marques